Publicado por: fagocitandooplaneta | setembro 23, 2010

Salve a Neutralidade da Rede

Nos EUA é uma questão que tem trazido muito debate entre os usuários, visto que eles serão os primeiros a serem prejudicados. Pois o princípio de neutralidade visa que podemos acessar qualquer site, fazer Peer-to-Peer, em velocidade igual pra todos, podemos assistir a um vídeo online, ouvir podcasts, enviar mensagens instantâneas a qualquer hora que quisermos. Enquanto a violação disso certamente nos impediria de muita coisa aqui mencionada, entre outras. Hoje é uma questão dos EUA e do governo Obama, você pode estar pensando que não tem nada haver com isso, mas se por acaso Obama decide pela quebra da neutralidade, certamente “respingará” no resto do mundo.

Por quê? Você deve estar se perguntando. Digamos que Obama resolva ceder às empresas de distribuição de internet, que por sinal são as mais ricas do mundo e que argumentam fortemente sob a alegação de que a demanda está muito alta, hoje temos iPads, iPhones e tudo mais que nos fazem ficar plugados de qualquer lugar, a rede. Hoje não “importa” o quanto você utilize a rede, visto o que pressupõem a neutralidade, e justamente por essa liberdade é que as grandes empresas dizem estar muito caro investir neste tipo de rede e precisam cobrar de quem usa mais, parece razoável, quando se utiliza uma coisa mais que outras pessoas, ser totalmente justo que quem usa mais, deva pagar mais, mas, além disso, ferir os princípios da neutrality net, beneficia no meu modo de entender, quem pode pagar mais. A neutralidade pode ser quebrada de forma sutil (pra mim, a forma mais perigosa), quando um site carrega mais rápido que outro, por exemplo: site X concorrente do site Y carrega mais rapidamente que este, só nesta situação há uma quebra do princípio; o site X paga alguém por isso, mas isso é tão sorrateiro que parece conspiração dos pequenos contra os grandes, mas não é, é fato. Defender a quebra da igualdade na rede é só mais uma forma de aumentar as receitas destes ou daqueles, em um argumento falacioso.

Salvem a neutralidade da rede.

Sem a neutralidade, tudo o que foi conquistado até agora, vai pelo ralo, permitir isso é dar a essas empresas ou às grandes corporações que podem pagar pelo tráfego das vias rápidas para seus próprios conteúdos e serviços e deixar o resto de nós (no momento os americanos do norte) em uma estrada de terra sinuosa, é sufocar a inovação tecnológica (não vai haver competidores para eles), é sufocar a concorrência, é pedir para que os barões da banda larga escolham por nós, que conteúdos deveram ser acessados. Tudo isso pode ser questão nossa dependendo de como eles seguiram com essa questão.

Já sabemos que esse princípio foi quebrado, um exemplo disso é a China (onde a liberdade de expressão, é vista como uma idéia maléfica). Ditadora como é, censurou sites de outros países dentro do território, invadiu a privacidade das pesquisas, blindando alguns verbetes em sites motores de busca e vigiando o cidadão que usasse tais verbetes. Lá funciona e a política censura o que não lhe é conveniente. Se os EUA, detentor das principais empresas nesse setor se junta à China, vão ser dois grandes países que aderiram e vai ser argumento suficiente para o resto do mundo, incluindo o Brasil ”a adotarem o novo modelo que regerá a internet”. Por isso é questão nossa, devemos resistir e hoje principalmente os norte-americanos. Por outro lado, ainda que quebrem a neutralidade por lá, nós temos uma última esperança, investir em um mercado competidor pra não ficarmos a mercê dos “grandes”, o problema é quem vai estar disposto a investir, espero que o governo seja sensato e não dobre os joelhos às vontades “americanas”, se por ventura eles optarem pela quebra.

Ferir o princípio que rege a internet desde quando ela surgiu, é optar pela censura, pelo benefício de uns em detrimento de outros e por aí vai. Mas sou a favor, de que particularmente cada país abra exceções em relação a este princípio, visando é claro pela segurança de cada um, como por exemplo: a proibição de conteúdo pornográfico, digo principalmente de os de conteúdo pedófilo, que existem aos montes, não temos legislação severa pra isso no âmbito fora do virtual, que dirá no âmbito virtual. Sou sim a favor de exceções, mas exceções que não beneficiam uns em desfavorecimento de outros.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: